Poeta Carvalho Neto
De Poesia ninguém morre... se vive!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

O Porquê do Facebook... e de Outras Mídias Sociais!

"O Porquê do Facebook... e de Outras Mídias Sociais!"

Durante muito tempo fui refratário a abrir uma conta no Facebook. Não por haver qualquer preconceito moral ou social, mas, por entender que não se enquadrava no meu perfil pessoal. Sempre ri de mim mesmo, quando alguém falava algo sobre essa possibilidade. Isso, por me ver muito como um "tiranossauro rex" ou algo parecido, diante dos avanços da tecnologia da informação e da comunicação de massa. Além do mais, acho que meu lado "discreto e reservado" (sem sal mesmo!), sempre foi peculiar em minhas atitudes: penso assim!

E, essa situação aconteceu em várias ocasiões. Algumas, até pela forma veemente com que pessoas queridas cobravam uma atitude mais moderna de minha parte. No entanto, confesso que achava o celular e o e-mail suficientes para atender as necessidades que se apresentavam, até, então.

Bem...detalhando um pouco mais esse conflito, vez por outra era abordado por amigos, alunos, bikers e, até, familiares sobre a minha resistência a esse tipo de mídia. Minha mulher, por exemplo, chegou a propor fazermos uma conta conjunta.

Recordo-me, agora, de um grupo muito querido de pedal, que sempre trocava informações através do Face... e, notadamente, eu perdia muita coisa por não dispor desse acesso, inclusive imagens maravilhosas das nossas trilhas, realizadas em tantos lugares diferentes. Assim, toda vez em que fazíamos percursos desse tipo, não tinha oportunidade de rever as deliciosas paisagens e nem os momentos de descontração proporcionados nessas ocasiões. Quando muito, recebia fotos, via e-mail, acompanhadas por algum tipo de gracejo sobre tais limitações. E, como um mantra, repetia a mesma frase: "fazer o quê...?".

O tempo foi passando e, por uma estrita necessidade laboral, tive que aderir ao Whatsapp. A partir de então, em mim, ficou mais nítida a visão da importância das mídias sociais no mundo atual. Descobri a alegria de brincar com os amigos, familiares, além, da agilidade de comunicação em momentos oportunos. Me diverti nos diversos grupos em que participo: cada um com sua dinâmica e linguagem própria, em função das pessoas e dos interesses individuais e coletivos. No entanto, sobrava-me mais uma preocupação: é interessante, sim; gostoso, sim... e viciante, também!

Experimentei o Telegram que, em minha modesta compreensão, tem recursos e forma de comunicação muito similares ao Whatsapp, embora, não possua a mesma abrangência... número de adesões, por exemplo. Não acho necessário manter os dois. Fico com o "Zap" pela sua capilaridade.

Verifiquei outras mídias, muito rapidamente. Percebi o Twitter, como uma forma de comunicação ágil, mas, limitada pelo número de caracteres: serve para saber o que fazem e pensam os "famosos". Já o Instagram, entendo, como um arquivo de fotos e imagens que queremos difundir socialmente.

E o Face? Hummm... difícil definir. É um mundo de perspectivas, exposições e tentações, inclusive, de passarmos muito tempo do dia (e da noite), em busca de informações sobre amigos e pessoas que nos dizem respeito. É, sim, instigante, fascinante. Nele podemos ver coisas mundanas, corriqueiras na vida de familiares e de amigos, que, são importantes também, sem dúvidas. Frases interessantes e reflexivas, ditas por pessoas famosas e bem sucedidas, ou mesmo por alguém do nosso convívio. O espaço é comum a quem quiser, de forma quase ilimitada, com poucas regras ou normas de utilização. É democrático e todos podem se nivelar, independente do grau de instrução ou da conta bancária.

Olhando mais atentamente, o Face tem criado problemas aos governos de países de regimes totalitários e fundamentalistas. Isso porque, pela sua capacidade de comunicação e a falta de controle dos aparelhos repressores, tem modificado pensamentos e atitudes, especialmente do público mais jovem, quebrando, assim, as amarras estabelecidas por dogmas políticos e/ou religiosos.

Assim, o Face - como outras mídias sociais - originariamente voltado para a comunicação pessoal e social, vem se tornando, também, e cada vez mais, um espaço para o debate político, especialmente num cenário em que se auto-alimentam duas crises de grande magnitude: a política e a econômica. E o Brasil de hoje requer um posicionamento firme de seus cidadãos, especialmente no combate a CORRUPÇÃO, talvez hodiernamente o mais hediondo dos crimes praticados no País, pois ceifa simultaneamente a vida de milhões de pessoas, desviando dinheiro público das escolas, hospitais, estradas, segurança e obras de infra-estrutura, dentre outras necessidades. Provocando o caos social e o atraso da população menos assistida.

Entendo que o Face seja, ainda, um lugar para que possamos nos expressar em diversas outras linguagens: no esporte, na música, na literatura, na economia e, até mesmo, efetuar pequenos e despretensiosos comentários sobre a vida de amigos (esses, claro, moderadamente!).

Bem... para finalizar (Ufa), sou de fato um aprendiz. Pouco conheço das ferramentas e perspectivas de comunicação do Face... mas, espero poder livremente expressar minhas opiniões sobre qualquer tema socialmente republicano!
Poeta Carvalho Neto
Enviado por Poeta Carvalho Neto em 05/03/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários