Antônio Carvalho Neto
De Poesia ninguém morre... se vive!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos



O Fim 


O fim de um amor é triste,
Mas, às vezes acontece...
Irreversivelmente.
Inicialmente discretos,
Com o decorrer do tempo,

Os sinais ficam evidentes,
E se  tornam mais e mais insistentes,
Intensos!


Os olhares deixam...
De seguir o mesmo caminho.
O coração sangra...
Sangra em demasia.
Ainda bate, porém,
Bate devagarinho...
Quase parando,
Como sopro de vela ao vento!


Os projetos de vida, a dois...
Se tornam distantes...
Dia a dia...
Mais distantes,
Até o limite de serem inviáveis,
Inalcançáveis...
inatingíveis...
Vazios!


E o que houve?
O que aconteceu com aquele amor infinito?
E as juras trocadas?
Incompreensão?
Desavenças?

Malquerença?
Desgate?
Vale a pena dicutir isso?

 
Agora, já não importa...
Os sonhos se vão para outra porta,
N'outra direção!
Chora coração!
Chora de emoção!
Mas... vai embora!
Chegou a hora!
É o fim de nossa história!


 
POST SCRIPTUM


 
Vinícus de Moraes, em sua eterna sabedoria, dizia em um dos seus poemas mais conhecidos... Soneto de fidelidade:

"Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."

 
Antônio Carvalho Neto
Enviado por Antônio Carvalho Neto em 15/01/2018
Alterado em 04/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Dueto). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários